quarta-feira, 2 de agosto de 2017

Cartas Brasileiras: Parabéns D. Lucília pelas suas 90 primaveras

Lucília Castanheira Batista, natural de Figueira de Lorvão, celebrando
 o  90º  Aniversário junto dos familiares, no Brasil
Minhas primeiras cartas para o blog falavam sobre a partida de residentes dos arredores de Penacova para o Brasil, lá nos primeiros anos de 30.
Lucilia Castanheira, então com 7 anos, com a mãe e irmão deixaram o sagrado solo materno a bordo de um vapor holandês, com destino a Santos, maior porto da América Latina, a pouco mais de uma hora até São Paulo. O desembarque foi no dia 3 de março de 1934. Em 1945, Lucília casou com Eduardo Batista da Silva,  de quem adquiriu o apelido Batista, oriundo de Gondelim, um lugar de Penacova, de onde saíra ainda menino. 
Nascida em Póvoa da Figueira do Lorvão, aos 2 de julho, acaba de completar 90 anos.
Para comemorar a grande data, a dádiva divina da longevidade, seus filhos, Marisia, Marilda, Marineide e José Eduardo, os genros e nora, os netos, bisnetos, os irmãos da aniversariante (Horácio, também nascido em Portugal, Zulmira, Armando e Izabel, os cunhados, cunhadas, sobrinhos, sobrinhas e amigos, se reuniram em um almoço festivo.
Músicas portuguesas animaram o evento, as crianças desenvolveram coreografias nas danças portuguesas. Em local privilegiado, no espaço elegantemente decorado para receber os convivas, um oratório com a imagem de Nossa Senhora de Fátima, presente de um dos netos, trazida de Portugal.
A querida Lucília, minha sogra, é a primeira da família a chegar aos 90 anos; há outros na fila e logo mais, com a graça de Deus, ainda relataremos em Cartas Brasileiras.

ptjsantos@bol.com.br
---------------
Nota da redacção: Para a D. Lucília, vão de Portugal, em meu nome e em nome dos penacovenses que muito a estimam, votos de muitos anos de vida com muita saúde, na companhia dessa família maravilhosa. David Almeida 

sábado, 29 de julho de 2017

10 anos do Penacova Online: nota editorial

Os vários cabeçalhos que o blogue apresentou
ao longo destes 10 anos
O blogue Penacova Online está a completar 10 anos de existência. Estávamos em 2007.  Verificámos que em Penacova, quer a nível da blogosfera, quer a nível de “sites” institucionais o panorama era muito limitado, para não dizermos pobre. No plano noticioso nada existia que duma forma consistente congregasse o que, dispersamente, se ia publicando na imprensa local e regional e noutros meios de comunicação social. Perante isso sentimos que Penacova, também neste aspecto, estava a ficar para trás. Assim, sem interesses lucrativos ou políticos e sem grande aparato tecnológico iniciámos a publicação do Penacova Online.

De 2007 a 2010 tentámos cumprir essa função noticiosa. A partir daí, o site do Município de Penacova passou a fazer a cobertura informativa da vida social e cultural do concelho. Surgiu, entretanto,  o “Aqui-Penacova”, a que se seguiu o “Penacova Actual”, projecto que acabou por se afirmar como  "o jornal " do nosso concelho, em formato digital.

Escrevíamos em 26 de Julho de 2010, ao completar três anos de publicação: “Entendemos que o Penacova Online completa assim um ciclo. O ritmo das notícias, das políticas e das politiquices, das tricas e das fofoquices não se enquadra no nosso formato. Arredados da escravatura do momento e da velocidade do instante, iremos falando, de vez em quando, da história e da cultura de Penacova, bem como das suas belezas naturais.”

E esta é, ainda, a nossa posição. Vamos continuar a linha que temos vindo a seguir nos últimos tempos: mais do que noticiar o dia a dia penacovense, dar primazia à publicação de textos relacionados com a história local e o(s)  património(s) do nosso concelho.

David Almeida

segunda-feira, 10 de julho de 2017

Reconquinho...

Entrelaçado na/ envolvência de ti/ Rio/ Eu fico aqui em cima a/
Olhar parado/Quase paralisado/ Como se tivesse  muito /Frio/
O teu espelho continua/ Reflector/
O arvoredo circundante/ Nas tuas margens/
Está agora a iniciar/ Um longo processo de dor/ Diletante/ 
A curva da estrada do/Reconquinho/ Está mais cavada, mais/ Curvada, /
 Embora/ Reconfortante/
A Praia fluvial com/Cobertura de geada/
Canta connosco e tira /Suores ao povo/
Que se renova e ali vai/Ficando mais novo/
As formas bizarras das/Canoas/
Trazem colorido sofrido/
E a velha Barca Serrana/Alberga o pescador que/
Ali pesca boga à cana/
Tudo harmoniosamente/Colocado/Tudo estoicamente conservado
/Tudo belo/Para não dizer/Encantado!

Luís Pais Amante
Casa Paraíso, Penacova
3 Dez 16, 9h30
Olhando para o Rio
Mondego


quarta-feira, 5 de julho de 2017

Penacova e Cistierna: conhecer o passado para debater o futuro


Estão abertas as inscrições para o programa “Penacova e Cistierna: conhecer o passado para debater o futuro”, um projeto pioneiro que irá decorrer entre 15 e 22 de julho, em Penacova. Este programa decorre no âmbito da geminação entre os dois municípios, cujo acordo será assinado no dia 17 de julho, data do feriado municipal de Penacova.

O programa tem como objetivo principal proporcionar aos jovens dos dois municípios uma semana de convívio e aprendizagem, dedicada a conhecer a história comum, a cultura e a música, permitindo ainda aos participantes o contacto com uma língua estrangeira. Consiste na realização de workshops e palestras sobre temas relacionados com a música, história e com a União Europeia, bem como atividades lúdicas, culturais e sociais. Inclui ainda visitas a sítios de património, como sejam o Mosteiro de Lorvão e o Museu do Moinho, mas também atividades de desporto e aventura nas praias fluviais do Vimieiro e Reconquinho.

As atividades irão decorrer diariamente, a partir das 10h00 e incluem o almoço. Os workshops irão decorrer no Mosteiro de Lorvão e na Biblioteca Municipal/ Centro Cultural e as atividades culturais noturnas terão lugar no Largo Alberto Leitão, em Penacova.

Do lado espanhol, a maioria dos participantes integra a Banda de Música de Cistierna e do lado português poderá inscrever-se qualquer jovem com residência no concelho de Penacova. Contudo, como parte do programa se relaciona com música, será conveniente que os participantes tenham conhecimentos de música (por exemplo, membros de filarmónicas, grupos de cantares ou grupos corais).

Os interessados em participar no programa poderão inscrever-se online, através do formulário disponibilizado no website do município, (através do linkhttps://goo.gl/forms/yi4JpFHxmdKAfFa62), ou na receção da Biblioteca Municipal/ Centro Cultural.

O projeto “Penacova e Cistierna: conhecer o passado para debater o futuro” foi alvo de uma candidatura ao Programa “Europa para os Cidadãos”, da Comissão Europeia, tendo sido selecionado para cofinanciamento.

Paula Silva
Biblioteca Municipal / Centro Cultural

terça-feira, 4 de julho de 2017

Nos 150 anos da abolição da Pena de Morte: reflexos na história das gentes de Penacova

OS CASOS LUISA DE JESUS E EXPLOSÃO DE PÓLVORA NA CORTIÇA

Estão por estes dias a celebrar-se os 150 anos da Abolição da Pena de Morte em Portugal. Não sabemos quantas pessoas ligadas a Penacova foram condenadas à pena capital ao longo dos tempos, mas há dois casos que fizeram história: o caso de Luiza de Jesus (natural de Figueira de Lorvão), por ter cometido cerca de 30 infanticídios, e o fuzilamento de 6 penacovenses por envolvimento no episódio da “Queima da Pólvora" na Estrada da Beira, junto à Cortiça.



Luiza de Jesus, uma mulher de 22 anos, ia buscar “enjeitados” à Misericórdia de Coimbra a “pretexto de criação, matando-os e enterrando-os depois, para se aproveitar do enxoval e dos 600 réis de criação pagos adiantadamente!” – pode-se ler na bibliografia sobre o assunto.  Acharam-se enterradas trinta e três crianças, confessando a ré haver garrotado vinte e oito por suas próprias mãos!
Foi atenazada pelas ruas de Lisboa, cortadas as mãos em vida, garrotada e queimada. Corria o ano de 1772. Entre nós a pena de morte era executada geralmente por estrangulamento (forca ou garrote), por degolamento, pela queima do corpo da vitima (vivicombúrio) ou por esquartejamento, atando a vitima pelas quatro extremidades ás caudas de quatro cavalos. De referir também o fuzilamento.
Havia ainda modos de agravar: em vida, o atenazamento, bem como o corte ou mutilação das mãos, o arrastamento da vitima, no percurso, até o sitio da forca. Em casos mais cruéis podia ser arrancado o coração. Depois da morte, era frequente o corte da cabeça, o esquartejamento (as partes eram distribuídas pelos lugares centrais da cidade, ou colocados às portas dela) e noutros casos, era queimado o cadáver.
Assento de Baptismo de Luísa de Jesus (publicado no jornal Expresso)

Saiba mais sobre este caso AQUI e AQUI.

Caricatura representando D. Pedro  e D. Miguel
disputando a coroa portuguesa, por Honoré Daumier, 1833

Passados 61 anos, em 1833, temos notícia do fuzilamento de 6 penacovenses, por motivos políticos: António Homem de Figueiredo e Sousa, natural da Cruz do Souto, freguesia de Farinha Podre,  Padre António  da Maya, natural da Cruz do Souto, freguesia de Farinha Podre, pároco encomendado da freguesia do Covelo de Ázere, Francisco Homem da Cunha, filho de Bernardo Homem e irmão de Guilherme Nunes, do lugar da Cortiça, Francisco de Sande Sarmento, solteiro, natural da Carvoeira, freguesia e concelho de Penacova, Felisberto de Sande, solteiro, natural da Carvoeira, freguesia e concelho de Penacova,  Guilherme Nunes da Silva, filho de Bernardo Homem e irmão de Francisco Homem da Cunha e José Maria de Oliveira, natural da Cortiça, freguesia de Paradela.
Conta-nos Henriques Seco (Memórias do Tempo Passado e Presente – 1880) : “É sabida a perseguição que aos liberais foi feita desde 1828 a 1834. Uma das terras do país que mais sofreu então foi a vila de Midões. Fugindo á perseguição, alguns de entre eles vagavam por diferentes terras da província, e por acaso nos primeiros dias do mês de Agosto de 1832 estacionavam junto à Cortiça (quilometro 42 da estrada de Coimbra a Celorico) onde os povos lhe não eram hostis, e havia também muitos cidadãos comprometidos na causa liberal.”  
Ao fim da tarde do dia 4 de Agosto de 1832, os mesmos liberais foram avisados  que havia chegado à Ponte da Mucela “um troço de quarenta voluntários realistas, vindos de Abrantes, escoltando um comboio de vinte carros com pólvora”. Os liberais envolveram-se e depois de vários episódios (ver AQUI e AQUI) foram perseguidos, presos e por fim, muitos deles, condenados à pena capital. A povoação da Cortiça foi quase totalmente incendiada em 1832 pelas milícias miguelistas que quiseram vingar o assalto ao  combóio de carros de bois carregados de pólvora, proveniente dos paióis de Abrantes e destinada ao cerco do Porto. A pólvora foi seguidamente destruída por explosão nas proximidades da Cortiça e, como não foi possível prender todos os guerrilheiros, sofreram as retaliações os moradores daquela localidade.







Penacova, a Barca Serrana e a Navegação Comercial no Mondego

Mostra de actividades ligadas ao rio e ao barqueiro:
 "Festa do Barqueiro" - Miro  2/7/2017

A navegação comercial no Mondego, que remonta a séculos anteriores, atingiu no século  XVIII um grande desenvolvimento. Prosperidade que se manteve até finais do século XIX quando se iniciou uma fase de decadência, que acabou por levar à sua completa extinção em meados do século XX.

Sobre este tema existe um estudo de Maria Adelina de Jesus Nogueira Seco, apresentado à Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra, em 1965, enquanto Dissertação de Licenciatura em Ciências Históricas: “A Região de Penacova e a Navegação Comercial no Mondego: subsídios para a história desta navegação”.

Tem como base de investigação um livro de registo de termos de compromisso dos indivíduos que transportavam mercadorias da região de Penacova, passados pelo escrivão desta mesma vila (1773-74), isto é, um conjunto de “termos de fiança das fazendas que levarem guias dos Portos secos da villa de Penacova para qualquer outra Terra do Reyno”. A este conjunto de documentos atribuiu a autora a designação de “Livro de Penacova”.

É com base no excelente trabalho desta penacovense, já falecida, natural do Casal de Santo Amaro, que iremos tecer algumas considerações.

Termo 85: 24 de Agosto de 1773
 Manuel Antunes do lugar do Salão, termo de Arganil,
22 alqueires de sal, “em direitura a vila de Selurico” no valor de 2500 réis.
As mercadorias que das terras mais distantes do litoral se destinavam ao interior das Beiras, eram transportadas pelo Mondego até ao Porto da Foz do Alva (estamos a falar de finais do século XVIII) e daqui por carreiros ao seu destino. Se pelo contrário a origem era o interior, as mercadorias seguiam o mesmo trajecto, mas agora em sentido inverso. O Mondego era a grande estrada comercial.

Os produtos que chegavam à região de Penacova eram essencialmente sal, louça, peixe, azeite e linho. Por sua vez, vinho, milho, fruta, legumes, carvão, castanha e vinagre eram os produtos mais “exportados”.

O sal era, sem dúvida, o mais transacionado. “Na verdade, enquanto outros produtos existiam em maior ou menor quantidade no interior, o sal só poderia ir do litoral, neste caso das salinas da Figueira.” - escreve Maria Adelina Nogueira Seco. “Em 12 de Agosto de 1773 foram carregados no Porto da Foz do Alva 19 carros e no dia 19 dezassete carros. Muito sal num só dia.” - acrescenta.

Além do sal, encontramos o peixe, sobretudo seco, já que o fresco era difícil de chegar às regiões mais longínquas em boas condições, devido à morosidade dos transportes. Há registos de carregamentos de cavala seca a partir do porto da Foz do Alva com destino a várias partes da província da Beira e também do transporte de carros de sardinha para a feira de Viseu.

A louça, sendo Coimbra um importante núcleo dessa indústria, também ocupava um lugar de destaque no conjunto dos produtos comercializados.

Podemos concluir que o produto mais “importado” era o sal. O mais “exportado” era o vinho, com destino a Coimbra, Baixo Mondego e Figueira. Vinho que seria, na sua maioria, produzido na Beira Alta. No entanto, também havia vinho produzido em terras de Penacova. Da leitura da obra em apreço podemos concluir que em 16 de Dezembro de 1773, José Ribeiro, do lugar de Paradela, termo de Penacova, transportou 2 pipas de vinho - “cujo vinho hé do seu labrado”. Vinho que chegou a ser conhecido por vinho da Figueira, dado que era exportado para o estrangeiro através deste porto. Outros produtos que partiam da região de Penacova com destino a Coimbra e Figueira eram o feijão, a castanha e a fruta da época.

Sabe-se o Porto da Raiva dispunha de verdadeiros armazéns, dos quais nos anos 60 do séc. XX ainda existiam ruínas. Os carreiros que se encarregavam dos transportes eram sobretudo das regiões de Penacova, Coja e Arganil.

Mas não só de mercadorias se fazia a navegação comercial. “As próprias pessoas não só da região mas também as que de cavalo ou de carros de bois chegavam da Beira tomavam aqui as barcas em direcção a Coimbra e a outras terras ao longo do rio.” Por exemplo os estudantes que se dirigiam a Coimbra e pessoas que iam até Buarcos nas férias de Verão.

“A Raiva – afirma Adelina Nogueira Seco - ainda em meados do séc. XIX era considerado o porto mais importante de todo o curso navegável do Mondego” e ”durante o séc. XIX e 1ª metade do séc. XX desempenhou o papel de grande entreposto ligando o litoral com a região beirã.” Remonta a esse tempo o Ramal (Estrada Distrital nº 105) que fazia a ligação, na Catraia dos Poços, à Estrada Real nº 12.

Os documentos (séc. XVIII) estudados por Maria Adelina Seco, apontam para o “Porto da Foz do Alva”. Será que no séc. XVIII a Raiva e Porto da Foz do Alva eram a mesma coisa? Não se sabe exactamente. Outro porto, que não pertencia a Penacova, mas fazia parte de toda a dinâmica comercial da época era o Porto da Foz do Dão. Quando o caudal o permitia desempenhava também um papel importante. O “Livro de Penacova” regista que José Gomes, criado de João Silva, afiançou, em Fevereiro de 1774, uma pipa de vinho que “remete de sua caza (Vale da Vinha) para o porto da fós dão, termo de Ovoa.”

Os barqueiros são também na sua maioria naturais das diversas povoações do concelho. Ainda no principio do século XX a vida de muitos habitantes das povoações ribeirinhas estava ligada ao rio. Já o “Livro de Penacova” referia com frequência pessoas de Oliveira do Cunhedo, Penacova, Carvoeira, Miro, Vila Nova, Raiva…

A abertura do Caminho de Ferro da Beira Alta, em 1882, terá sido a causa principal da decadência da navegação comercial (o caminho de ferro, mas também o assoreamento do rio, entre Coimbra e Figueira, a beneficiação das estradas e o aparecimento de empresas de camionagem). A mesma foi morrendo e nos últimos tempos de atividade só a lenha, a madeira e a carqueja eram transportadas sobretudo para Coimbra e “mesmo estas porque seria mais económico que a camionagem”. Havia (na Raiva) um cais para as pilhas de lenha e da madeira e mesmo “uma construção destinada a cubicagem dessa madeira.”

quinta-feira, 29 de junho de 2017

Não se sabe quando Farinha Podre passou a chamar-se S. Pedro de Alva ?

Foi com surpresa que ao lermos há pouco a notícia do Sarau Medieval que decorreu em S. Pedro de Alva no dia 2 de Junho, nos deparámos com a seguinte observação: "NÃO SE SABE QUANDO A MODIFICAÇÃO DE FARINHA PODRE PARA S. PEDRO DE ALVA OCORREU; MAS HÁ QUEM ADMITA QUE FOI A PARTIR DE 1853". 

É que o livro do Dr. Carlos Proença intitulado "Notícias Históricas de Mondalva", publicado em 1985 é bem claro.  Pelo menos a Junta de Freguesia e a Biblioteca Escolar hão-de ter um exemplar e outras pessoas o conhecerão.  Trata-se de um excelente estudo sobre a História desta região natural situada entre o Mondego e o Alva.

Vejamos a página 17: "Em documento datado de 1141, do qual Frei Manuel da Rocha, no seu tão sugestivo Portugal Renascido , transcreve breve passo, depara-se-nos a mais antiga referência escrita, até agora conhecida, a S. Pedro de Alva, sob o nome de Farinha Podre, que conservou até lhe ser dado o actual em 21 de Fevereiro de 1889, por decreto de el-rei D. Luís I. " Aqui está.

O diploma, publicado no Diário do governo do dia 23 de Fevereiro, assinado por José Luciano de Castro, Presidente do Conselho de Ministros (recorde-se que a ponte de Penacova tem o seu nome) reza assim:

"Atendendo ao que me representaram a junta de paróquia e diversos moradores da freguesia de Farinha Poder, do concelho de Penacova, para que o nome da sede da actual paróquia seja mudado para o de S. Pedro de Alva;
Vistas as informações favoráveis da respectiva Câmara Municipal e do Governador Civil do distrito de Coimbra e o disposto no art. 2º, § 7º, nº 1, do Código Administrativo:
Conformando-me com o parecer do Supremo Tribunal Administrativo;
Hei por bem determinar que a sobredita paróquia passe a denominar-se S. Pedro de Alva. "

Carlos Proença acrescenta ainda um dado importante: " Ao tempo, tinha assento na Câmara dos Deputados, exercendo funções de Secretário, uma das maiores notabilidades da nossa terra, José Maria Oliveira Matos, que desenvolveu pertinaz e valiosíssima acção em favor dos povos do antigo círculo eleitoral de Arganil, que repetidas vezes o escolheram para seu representante nas Cortes do Reino. A adopção, por sua iniciativa ou com o seu patrocínio, do novo topónimo, representaria por certo, no pensamento de Oliveira Matos, o símbolo da vida nova, que desejava para a sua terra natal."

Refere ainda um pormenor curioso: a notícia demorou a chegar a S. Pedro de Alva. No Copiador da Junta de Paróquia, há um registo de correspondência, com data de 27, onde ainda figura o nome abolido. Só em 10 de Março se procedeu a novo registo e aí, sim, já aparece S. Pedro de Alva.
____________

Saiba + sobre o livro de Carlos Proença

segunda-feira, 19 de junho de 2017

Uma viagem ao Mosteiro do Vale do Silêncio


Integrado no programa da Feira de Tradições que decorreu em Lorvão de 14 a 18 de Junho, foi apresentado, no dia 17 à tarde, o livro “No Mosteiro do Vale do Silêncio” da autoria de Sónia Marques Carvão, editado pelo Município de Penacova. Na sessão de lançamento esteve presente Humberto Oliveira, Presidente da Câmara, Fernanda Veiga, Vereadora da Cultura, Rui Baptista, Presidente da Junta de Lorvão e José Pisco, Guia do Mosteiro.
Depois de muita bibliografia de carácter historiográfico sobre Lorvão, surge agora “este pequeno romance” que “pretende dar a conhecer a presença dos beneditinos nesta região e despertar interesse pelo conhecimento da sua história em todos os âmbitos da sua expulsão”, “sensibilizando para uma época e para um Mosteiro “, conforme se pode ler nas páginas introdutórias. “Sem entrar em detalhes de actos históricos, mas recorrendo a alguns deles para desenvolver o romance – que é disso que se trata - foram lidas algumas obras para nos inteirarmos de alguns aspectos importantes” – salienta também a autora.


O romance tem como personagens principais um jovem monge, Bernardo, a jovem Clara, uma rapariga do “povoamento” e o Abade Lucas. Trata-se de uma viagem no tempo. Viagem ao passado, envolta numa dinâmica de regresso ao futuro. É que, depois de muitos séculos, o Mosteiro de Lorvão, vê regressar os Beneditinos, dando assim, vida e dinâmica aos espaços que, com a saída do hospital psiquiátrico, se encontravam à espera de uma utilização condigna.
“Um clarão como se fosse um relâmpago bateu no grupo e no círculo ao mesmo tempo. Alguns bordados de algumas aves foram transformados em penas no momento em que a viragem para o futuro se deu. Todos juntos chegaram ao cimo das escadas do mosteiro actual.”
Claro que todo este processo gerou alguma perplexidade na pacata vila.
“Vem ali outra pessoa! - exclamou o monge Antão quando um rapaz se dirigiu à porta da igreja do mosteiro.
- Boa tarde! – sou o guia deste mosteiro, quem são vocês pelo vosso traje? – perguntou o guia do mosteiro um pouco espantado.
- Somos os beneditinos deste mosteiro – respondeu o Abade Lucas. (…)
- Mas os beneditinos que estiveram neste mosteiro estiveram no século XII. Não podem ser vocês! – exclamou o guia.
- Nós somos os beneditinos que estiveram neste mosteiro no passado, só que fizemos uma viagem ao futuro. Estamos aqui porque estávamos no passado que era nosso presente e quisemos viajar ao seu presente, para nós era futuro que agora também é presente. Íamos ser expulsos. -disse o monge Bernardo…”
No entanto o fulcro do romance é a relação amorosa entre Bernardo e Clara (que nessa viagem ao futuro acabam por casar em 2016 na igreja de Lorvão). Mas voltando aos tempos medievais, tudo começou quando o monge e a jovem aldeã deram o primeiro beijo:
“Nesse momento, Clara não esperou por mais nada e beijou-o. O jovem monge esqueceu-se que era monge e aquele momento configurou-lhe o mundo como uma corrente que corre no leito profundo.”
E mais adiante, encontramos a seguinte passagem:
“- Vou copiar o códice do livro das Aves o mais rápido possível, tenho algo em mente. [diz Bernardo]
- O que tens em mente?- perguntou Clara.
- Direi, mas não hoje. – respondeu e foi para a sua tarefa.
Enquanto isso, os irmãos perguntaram:
- Que relação tens com o jovem monge, Clara?”
Como lidar com tudo isto?
O romance tenta explicar, e prepare-se o leitor para uma leitura mais demorada pois vai encontrar passagens como esta:
“Como poderia existir sensorialidade sem materialidade? Para os beneditinos a sensorialidade podia ser o avesso que seria o direito. Noutro sentido, e esta sensibilidade era levada pela transcendência, a fim de ser visto o invisível ou aquilo que está naquilo que o outro não vê, poderia existir sensorialidade sem materialidade …”
O livro tece também longas considerações sobre a regra de S. Bento, aborda Teologia e Filosofia. A dado passo, imagine-se, Clara recebe uma lição de filosofia:
“Nem um nem outro responderam e o jovem monge preferiu explicar a Clara o que era a dialética de Pedro Abelardo…”.

Uma obra que certamente vai cumprir os seus objectivos: cativar (e desafiar) o leitor, promover um maior conhecimento e sensibilidade sobre o Mosteiro de Lorvão, cuja história, não se escreve apenas no feminino, mas nos remete também para a acção dos monges negros, isto é, dos monges beneditinos que estiveram na origem do cenóbio laurbanense.

quinta-feira, 15 de junho de 2017

Os monges negros de Lorvão: sombras e realidade

Que me desculpe o Professor Nelson Correia Borges por usar parte do título da sua obra magistral (tese de doutoramento)  "Arte Monástica em Lorvão: Sombras e Realidade".
Em 27 de Maio publicámos na página do Facebook associada a este blogue um pequeno apontamento sobre uma iluminura alusiva à criação de Eva, proveniente do  scriptorium laurbanense . Foi numa tese de Regina Neto que encontrámos, não só essa referência, como também inúmeras páginas dedicadas aos monges de Lorvão. Sobre Lorvão muito se publicou já. Vai agora ser lançado um livro cuja acção tem lugar "No Mosteiro do Vale do Silêncio". Segundo a autora, Sónia Marques Carvão, trata-se de um "romance sobre os beneditinos, ficcionado, mas baseado numa investigação e leitura da Regra de S. Bento entre outras obras e em alguns factos históricos."
A dissertação de mestrado, acima referida (leia AQUI) que nos chega da Universidade de S. Paulo apresenta-nos alguns dados que complementam os estudos feitos em Portugal e nos podem ajudar também, neste momento, a compreender as questões históricas para as quais o livro (que será apresentado no próximo sábado em Lorvão)  nos vai remeter.
Escreve Regina Neto que "Lorvão foi um mosteiro considerado rico para a época, em especial para o século XII". Os seus ocupantes terão sido, assim, "expoentes dos maiores protagonistas da região de Coimbra na tarefa de valorização económica do território e na reorganização da diocese". ricos monges possuíam uma longa tradição de autonomia" e acrescenta que "a documentação do fim do séc XI evidencia a aceitação de monges de todas as origens sociais e a existência de comunidades numerosas".  A revista Munda, publicou em 1987 um artigo que suscitou algumas dúvidas sobre a questão da regra seguida: cf. Schedel, T. "A saída dos monges negros do Mosteiro de Lorvão". Este artigo, é mencionado por Regina Neto, recordando que "a bibliografia mais recente aponta dúvidas quanto à observância da ordem beneditina no mosteiro até ao século XII sem, no entanto, fornecer maiores detalhes".  Por isso, escreve que "tendo provavelmente  adoptado a Regra de S. Bento em 1085 o rico mosteiro foi doado à Sé de Coimbra, em 1109." A passagem suscitou protestos dos monges que apenas recuperaram a independência em 1116. Começava assim uma certa "guerrilha" que culminou com a sua "expulsão" quando "foram envolvidos, no início do séc XIII, numa séria contenda com a coroa e com o bispo de Coimbra que os acusou de descalabros materiais e espirituais".



Existe um manuscrito da Regra de S. Bento, pertencente ao Mosteiro de Lorvão, datado de 1546, que ainda recentemente foi alvo de análise codicológica. (ver aqui).

SABER +  sobre Lorvão e a Regra de S. Bento
(Carvalho, S. / Calhindro, F. - Do Scriptorum Medieval às Comunidades Virtuais: Análise Codicológica da Regra de S. Bento do Mosteiro de Lorvão)

"A Regra de S. Bento foi escrita por S. Bento de Núrsia, na Abadia de Monte Cassino, no século VI, e começou a divulgar-se após a sua destruição em 580 pelos lombardos. A introdução da Regra na Península Ibérica está associada ao Concílio de Coiança de 1050, concretamente com a chegada dos primeiros monges de Cluny (1085-1095). Até esta data os monges ocidentais seguiam um sistema designado de Regula Mixta, não apresentado necessariamente um texto único. (BORGES, 2001, 77).
A primeira menção à observância beneditina, em Portugal, surge no mosteiro de Vilela, em 1086. Só em 1110 encontramos documentação referente à Regra Beneditina em Lorvão, nomeadamente no testamento de Zuleiman Raupariz. (BORGES, 2001, 82)
“A Regra Beneditina, enquanto norma, não pode considerar-se um texto intocável […] A sua validade na vida monástica não está em ser um texto de cariz inspirado ou revelado, mas em ser um texto lido e relido, interpretado e comentado, adaptado e actualizado”(DIAS, 2002, 10) e é neste sentido que devemos divulgá-la.

O espírito da Regra de São Bento funda a vidamonástica em três mandamentos essenciais: obediência,silêncio e humildade, cuja súmula é o tradicional ora etlabora, ainda que numa adaptação tardia.
Devido ao seu carácter pragmático e à sua flexibilidade é considerada a “Regra das Regras” pela Igreja Católica. Os mosteiros beneditinos tornaram-se então autênticos centros culturais e desempenharam um papel decisivo na história da civilização ocidental. A sua importância é
inegável, tanto para o monaquismo, como para as mentalidades de uma forma geral (DIAS, 2002,10).
A Regra suscita algumas querelas entre os estudiosos, uma vez que a sua fidelidade é questionada, por não ter sido encontrado o seu pretenso autógrafo, havendo assim suposições sobre o códice que mais se aproxima do texto original. Hoje pensa-se que Hatton 48 de Oxford será o códice mais antigo, datado dos princípios do século VIII, embora o mais autorizado seja o manuscrito Sangallensis 914 do século IX. (DIAS, 2002, 13)"
---------
BORGES, Nelson, C. – Arte Monástica em Lorvão: Sombras e Realidade, Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa, 2001
DIAS, Geraldo J.A. Coelho – Regra de S. Bento, Norma de Vida Monástica: sua problemática moderna e edições em Português. “Rctissima norma vitae”, RB.73,13. [Em linha]. Revista da Faculdade de Letras HISTÓRIA. Porto: III Série, vol.3, 2002, pp.9-48 [Consult. 8 de Dezembro de 2010] Disponível em www: http://ler.letras.up.pt/uploads/ficheiros/2278.pdf

Outros links:

Lorvão, um mosteiro e um lugar

Um mosteiro e um lugar: Lorvão nos finais do séc. XIII


O mosteiro de Lorvão: ainda a saída dos monges e a entrada das freiras

Arte monástica em Lorvão : sombras e realidade : das origens a 1737

Regra de S. Bento
http://ler.letras.up.pt/uploads/ficheiros/2278.pdf

VIDA QUOTIDIANA DAS MONJAS NO MOSTEIRO MEDIEVAL - CAP I EXPLUSÃO DOS MONGES DE LORVÃO, ACUSAÇÃO, DEFESA, PRONÚNCIA